Arquivo da categoria: música do dia

qual a boa do dia?

Faz escuro mas eu canto

É, um domingo cheio de encontros (pessoais, íntimos, pequenos, aqui dentro do coração e da memória). E que bom reencontrar-me com essa música, depois de quase cinco anos – e ver tudo o que passou, o que ficou, o que mudou…

É, “vale a pena não dormir para esperar a madrugada cantar”.

composição com galo e escuridão

Faz escuro mas eu canto (Tiago de Mello / Monsueto) Nara Leão – Manhã de Liberdade (1966)
Anúncios

Setúbal & fotografia: um esboço

na janela

Já faz algum tempo que ando pensando numa série de fotografias para homenagear e registrar todo o sentimento que eu tenho por essa cidade onde eu tenho vivido. Ainda não sei bem o que fazer, mas sei que as fotografias que coloco aqui hoje têm um pouco do clima e das sensações que me batem quando penso em uma “ode à Setúbal“.


Somado a essa abstração, também surgiu no shuffle outro dia Fotografia e que tão bem pareceu traduzir para mim o que eu próprio sinto. Daí também faz parte desse esboço completamente sem forma – um pouco parecido com as letras deformadas e a janela suja, com o sol batendo e cegando.


Fotografia (Tom Jobim) Nara Leão & Tom Jobim – Os meus amigos são um barato (1977)

E ainda tem o céu, a água, o rio, as pessoas… as possibilidades são imensas. Mas algo está nascendo e logo mais terei pronto. Uma pena, porque daí estarei me despedindo e indo embora. E então será um adeus.

setúbal & fotografia

Vide verso meu endereço

imagem do dia

Primeiros dias de janeiro, primeiros dias do ano novo, primeiro dia de aula, primeiro dia depois de terminar um trabalho interminável: e daí um presente para ser a cereja mais fantástica.

E, para ser mais extraordinário ainda, o presente é uma gravura que inesperadamente tem tudo a ver com a “decoração do meu cafofo”. Comecei o ano (muito) bem, com as surpresas-belas-aves-palavras que a Adelita me deu – e como é bom receber cartas.

Daí tive vontade de ser feliz e fui.

Vide verso meu endereço (Adoniran Barbosa) – Adoniran Barbosa (1975)

P.S.: também é preciso agradecer indiretamente à Ingrid, por ter me dado essa forma tão particular e colorida. =]